Artigos

28/07/2009 - Filhote de Pastor Alemao : A Escolha

Quando pensamos em adquirir um filhote de pastor alemao, estamos iniciando um processo de agregar mais um membro em nossa familia.  E um membro que poderá nos acompanhar durante dez a quinze anos.

Certamente que essa decisão deve ser tomada por toda a familia,  uma vez que o novo componente deverá ser aceito por todos e, nessa medida, aceitar a cada um. 

Em sendo o pastor alemão um cão vocacionado para a guarda e companhia, como tal deve ser visto e avaliado antes de ser incorporado à nova família.

O enfoque de que o pastor alemão é um cao de guarda e companhia nos dá uma visão geral da raça.  No entanto, como ser vivo, os cães da raça pastor alemao não tem uma genética igual.   Pelo contrário, sua genética pode ser utilizada para o desenvolvimento e melhoria de varios aspectos da raça. 

Alguns criadores enfocam principalmente a beleza do seu tipo e cor. Outros investem no tamanho e na estrutura, além do tipo e da cor.   Outros ainda, agregam um controle de displasia coxo femural, face a necessidade de termos cães saudáveis e com mobilidade adequada ainda nos seus ultimos anos de vida.

No entanto, a parte ligada ao temperamento é também uma necessidade de ser cuidada pois lidamos com caes de guarda e companhia e que devem ter equilibrio e sabedoria para definir o quanto de agressividade empregar quando necessario se fizer a defesa do seu territorio e da sua familia.  A reprodução da genética de cães medrosos, que fogem do enfrentamento necessario a defesa de sua familia e do seu territorio, não deve ser incentivada. Cães com medo de estampido, cães sem espirito de luta e com falta de coragem não devem ser utilizados na reproduçao.  Por outro lado, a genética relacionada com cães de agressividade acima do necessário, deve ser também levada em consideraçao antes de incentivar a sua reproduçao, utilizando-se critérios de avaliaçao para fatores ambientais de desenvolvimento dessa alteraçao.

E todas essas informaçoes podem ser obtidas através do criador pois ele tem acesso às informaçoes básicas da criação que realiza.

A dicotomia existente entre cães de trabalho e cães de estrutura nos leva a acreditar que os cães para trabalho devem ser mais toscos pois o enfoque é:  bom RX e temperamento forte.  E que os cães de estrutura não precisam contemplar a rigidez de controle em relação ao temperamento e ao RX.

O pastor alemão é um só : um cão de trabalho. Um cão que deve exercer as funções de guarda e companhia. Senão vejamos:

-  um cão de ¨estrutura¨  se não tiver um bom RX poderá não ser selecionado por mais belo que seja e por mais correta que seja sua anatomia.  Se não tiver um temperamento forte poderá também não ser selecionado,  mas se o for poderá estar falhando nas posteriores provas de proteção.

- de outro lado um cão de ¨trabalho¨, por melhor que seja sua genética de temperamento e de RX, poderá não ter o mesmo impacto ou a mesma força de mordida se tiver um focinho muito fino ou uma cabeça pequena e que na mordedura não tenha uma força de prensão tão adequada quanto outro com anatomia mais adequada a essa finalidade.  Um cão de porte pequeno como são muitos deles, não causa o mesmo impacto visual quando no exercício da sua finalidade de guarda.

                Dessa forma, na criação temos que definir o que pretendemos criar.

                Acreditamos que devemos criar sempre na direção do cão bonito, estruturalmente forte e anatomicamente correto, com temperamento forte e equilibrado e com a menor tendência possível para desenvolver a displasia tanto coxo femural quanto de cotovelo.



27/01/2009 - Criação e Estatística


“Um concepto fundamental a recordar:
el pedigree representa lo que um reprodutor debería ser;
el fenotipo representa lo que um reproductor parece ser;
la progenie representa lo que um reproductor ES.”

O conceito acima transcrito foi extraído da excelente obra “Lineas de Sangre”, primeira edição, 1988, da autoria de JORGE MAGGI, um dos maiores conhecedores do tema na América do Sul.

Para bem aferir a progênie de um reprodutor, o Criador necessita de informação qualificada. E nada melhor para qualificar a informação, que dados estatísticos, pois se colocam acima de gostos pessoais e têm o condão de vencer a distância geográfica que separa a criação, especialmente num país das dimensões do Brasil. Conhecer pessoalmente a totalidade da criação brasileira é privilégio de poucos.

Se o Criador não tiver conhecimento de virtudes e defeitos transmitidos por padreadores representativos das diversas linhas de sangue, vai aprender errando nos seus acasalamentos, o que representará perda de tempo, alto custo e decepção. A partir de informações baseadas em dados estatísticos, diminui a margem de erro na criação. Ademais, o levantamento estatístico evita que a exceção seja tomada como regra. Observe-se, que a exceção tanto pode ser negativa, quanto positiva. Se for negativa num determinado acasalamento, não significa que será também negativa nos demais acasalamentos do reprodutor utilizado. Se for positiva, não significa que todos os descendentes do reprodutor (com outras matrizes), obterão o mesmo sucesso. Interessa à criação a qualidade média deixada na reprodução, pois somente assim poderão ser avaliadas tanto as virtudes quanto as deficiências. Deficiências sim, pois inexiste exemplar perfeito, como é universalmente reconhecido. A imperfeição, é inerente à obra humana, o que naturalmente inclui a cinofilia.

Especificamente sob o ponto de vista da informação qualificada, merece registro o percentual de 93,33% de descendentes de Mischalands Chaplin com RX “A”, radiografados oficialmente, o que recomenda-o como reprodutor.

Vale recordar a precisa definição de JORGE MAGGI, na obra acima referida: “El reproductor es aquel sujeto dotado de particulares cualidades que empleado en la reprodución es capaz de transferirlas a sus descendientes, ésto vale tanto para el macho como para la hembra”.

Assim, restringindo o enfoque apenas à dispalasia coxo-femural (e, como sabido, Michalands Chaplin transmite outras qualidades), podemos afirmar que se trata de um exemplar com a desejável qualidade média para ser utilizado na reprodução.

Seria de grande valia para a criação, que dispuséssemos de mais dados estatísticos como os ora comentados.

Luiz Henrique Behs Filho.